DEDICATÓRIA | Soledade Martinho Costa

soledade_foto_autora_alta

Que mais posso fazer por ti, agora
A não ser compor este poema
E dedicar-to?

 

Escrever estas palavras que me imponho
E queria fossem belas
Como o canto do vento
Nas searas breves?

 

Sim, eu sei
É tarde.

 

Tarde para estender para ti
O meu regaço
Materno de acudir ao teu cansaço
Feito da espera dos dias sem resposta.

 

Tarde de mais, eu sei
Para qualquer gesto.

 

Por isso
No silêncio que me trouxe
O ciciar amaro do teu nome
Em ti recuso a flor e o luto
O rito pelos mortos.

 

Tua lembrança
Em carne viva está e permanece

És tu, ainda
A chama
A força
O grito.

 

Obstinadamente
A voz que se não esquece.

 

Soledade Martinho Costa